Afinal, o que devemos e o que não devemos comer à noite?

Com tantas informações sobre alimentação noturna, fica difícil saber o que comer à noite, não é verdade?! Mas, hoje a mais nova integrante da nossa equipe de nutricionistas Rebecca Boubli fala sobre o que você deve evitar. Prepare-se para mudar seus hábitos!

Todo mundo sabe que ir para a cama com a barriga cheia nunca é boa opção. É essencial que você dê um intervalo com cerca de 01h30 a 2h antes de cair no sono. Isso vai evitar que você fique com sensação de peso e desconforto, além de sintomas como refluxo e azia. Outra dica importante, quando terminar sua refeição espere ao menos 20 minutos para repetir o prato, é esse o tempo que o cérebro demora para captar a mensagem de que você se alimentou. Dessa forma, evita que você coma mais do que deveria.

Comer uma saladinha é sempre bem-vinda, certo? Errado, nem sempre é assim e isso se deve, principalmente, à individualidade bioquímica. As folhas e os legumes crus apresentam muitas fibras e por isso, as vezes, não são tão bem digeridos por algumas pessoas. Além disso, nossa digestão está mais lenta à noite, podendo dificultar mais ainda a digestão desses alimentos. Prefira legumes cozidos al dente, para que eles não percam todas as vitaminas, além de cereais como arroz integral. Sempre combine todos os nutrientes (entre gorduras boas, proteínas e carboidratos). Não tenha medo dos carboidratos, inclusive ele é muito bem digerido à noite. Você deve se preocupar mais com a qualidade e a quantidade do carboidrato que irá consumir do que não comê-lo.

Bebidas estimulantes com cafeína como café, chá preto, chá mate e bebidas a base de cola também devem ser evitados, pois podem ocasionar insônia, refletindo no dia seguinte em cansaço, sonolência e irritação.

E as frutas? Comer frutas de sobremesa não é positivo, porque nosso organismo digere muito mais rápido as frutas e isso atrapalha o ritmo natural do processamento dos outros alimentos, que foram ingeridos anteriormente. O que algumas pessoas fazem que também não deve ser considerado um hábito saudável é a troca de uma refeição completa (com todos os nutrientes envolvidos) por frutas por medo de engordar. Tal hábito deve ser evitado. Quando consumidas, uma dica importante se tratando das frutas é que sempre se deve preferir as opções in natura, pois os sucos não apresentam boas quantidades de fibras, além de possuir uma carga maior de frutose (açúcar natural das frutas), uma vez que você utiliza muito mais de uma porção de fruta para fazer um copo de suco. Boas opções para o período noturno são a maçã, pera, kiwi e abacate devido o índice glicêmico ser menor.

É interessante consumirmos alimentos fontes de triptofano no período noturno. Este é um aminoácido precursor na formação do hormônio serotonina – relacionado a sensação de prazer e bem-estar – e logo, também importante na formação do hormônio melatonina – hormônio que influencia na regulação do sono. Por isso, consumir alimentos como batata doce, feijão, ervilha, abacate, amêndoas, castanha de caju e do pará é de grande valia. As quantidades devem ser definidas por um profissional especializado, pois são individualizadas.